20 de out de 2011

Bicos na Internet


   
    O brasileiro é um povo muito criativo mesmo, recentemente surge no Brasil portais que reúnem ofertas de pequenos serviços. Idéia inspirada no portal americano Fiverr.
    Para suprir essa grande demanda, existem portais especializados em micros serviços, cada "prestador" desses serviços podem anunciar seus "atributos" a partir de R$ 10 reais. Os serviços que já fazem parte destes portais são a elaboração de currículos, a criação de cartões de visitas e algumas atividades inusitadas como andar de ônibus para informar o itinerário ou dar apoio moral.
   O maior diferencial deste tipo de portal é que além de baratos a maioria não estão disponíveis no mercado.
   Atualmente existem 2 portais, o Ahmais (lançado em setembro de 2011) e o 10 Real (lançado em outubro de 2010)

Pontos positivos:

*Para quem anuncia:
  É possível ampliar o networking com profissionais de mesma área;
  Você pode expor suas habilidades e apostar na autopromoção;

*Para quem contrata:
  É possível encontrar serviços personalizados sob medida;
  A pessoa tem acesso a serviços não oferecidos no mercado convencional;

Pontos Negativos:

* Para quem anuncia;
  Alguns anúncios podem gerar atrito com profissionais da mesma área;
  É preciso fechar muitos negócios para fazer um volume financeiro razoável;

* Para quem contrata:
  Não é recomendável para suprir grandes necessidades;
  Não é recomendável para demandas críticas, como consertos trabalhosos;
Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/168043_BICOS+PELA+INTERNET

19 de out de 2011

Daslu no E-commerce


  A Daslu, grife de luxo brasileira, acaba de lançar a primeira loja virtual da marca. A plataforma de e-commerce ficou por conta da VTEX, empresa de tecnologia para o comércio eletrônico , e foi totalmente integrada ao ERP Linx já utilizado pela grife.
  Com projeto da agência F.biz, a loja virtual da Daslu traz toda a linha feminina e masculina, além da linha para bebês e de casa e Details. O site ainda conta com uma equipe de personal stylist online, que poderá auxiliar na composição de looks no momento em que o cliente efetuar a compra, além de indicar as melhores roupas para diferentes ocasiões, entre outras coisas. O VTEX E-commerce Suite, na versão Unlimited, foi preparado com funcionalidades que permitem toda essa  tecnologia com o conceito de compra colaborativa, uma vez que há interatividade durante a escolha dos itens.
  Para o diretor de e-commerce da Daslu, Luiz Pavão, a ideia de criar o e-commerce da marca surgiu da crescente demanda do setor e da importância de se estar presente no ambiente virtual. “O mercado de moda na internet é um segmento que tem crescido muito nos Estados Unidos e que aqui no Brasil já participa de quase 5% da fatia das vendas virtuais. Acho que estamos apenas no início deste segmento aqui no País, que ainda deve crescer aceleradamente nos próximos dois anos”, afirma.
   Com a loja virtual em operação recente, os resultados já são positivos. “A loja online já nos surpreendeu positivamente com os acessos e vendas. Nossa expectativa é que o e-commerce represente 10% do montante de vendas das lojas físicas, podendo alcançar os clientes que gostam de Daslu e que estão espalhados pelo Brasil”, explica Pavão.
  Segundo o gerente de TI da loja de luxo, Kleber Gomes, a inovação e o pioneirismo da VTEX foram fundamentais para a escolha da empresa. “Dentre vários motivos que nos levaram a optar pela VTEX, um dos principais foi a flexibilidade, queríamos inovar e precisávamos de um parceiro que não fosse ‘engessado’ para poder fazer tecnologicamente o que nossa equipe planejasse. A plataforma irá nos beneficiar com as constantes atualizações e melhorias, acompanhando as ideias de nossa equipe que, como no mundo da moda, estão sempre inovando e ditando tendências”, finaliza Gomes.
  E você já conhece o e-commerce da Daslu? O que achou? Deixe sua opinião. #VamosJuntos

Abraços

Fonte:http://migre.me/5VTs4

18 de out de 2011

A Aramis Menswear investe na ampliação de sua presença digital e lança Vitrine de Compra no Facebook.


   Com a estratégia de oferecer atendimento diferenciado e inovação em todos os seus canais de atendimento online com o público, a Aramis Menswear, loja de vestuário masculino, contratou a agência de marketing digital CookieWeb, especializada em e-commerce , para desenvolver seu site e otimizar as ações de marketing digital.
   O primeiro canal otimizado foi o e-commerce . O próximo passo está em engajar os clientes com a recente página criada pela agência no Facebook.
   O Facebook hoje é a maior rede social do mundo com mais de 500 milhões de usuários cadastrados, sendo que apenas no mercado brasileiro existem mais de 10 milhões. Com este panorama, a Aramis lança a vitrine da loja na rede social. Serão mais de 250 produtos cadastrados, que vão desde a linha de camisarias, gravatas ternos e paletós até acessórios, como bonés e cintos. Nesta página, o e-consumidor pode saber das promoções e novidades das linhas. A estratégia é que a marca aumente o engajamento com seus clientes e, principalmente, divulgue suas novidades. Em um dos sub-canais da página, o cliente consegue visualizar todo o catálogo com as novas peças da empresa.
"A loja virtual tem potencial para ficar entre as cinco com maior faturamento da rede Aramis", diz Richard Stad, diretor comercial da marca.  De acordo com os dados do e-bit, o consumo on-line de artigos de moda apresentou um expressivo crescimento em 2010: a categoria, que sequer aparecia entre as 20 mais vendidas da web, saltou para a sexta posição. Resumindo, foram 2,4 milhões de pedidos, o que representa 6% do total. No Brasil, o mercado ainda está em fase de amadurecimento, tanto que a web ainda representa 2,8% das vendas do varejo, mas seu crescimento é apontado como irreversível.
Seguindo esta tendência, a parceria com a CookieWeb  tem como um dos objetivos melhorar as vendas da loja. O projeto foi desenvolvido em um ano e o seu objetivo era criar uma plataforma que fosse eficiente para informar o cliente e valorizar os produtos. Com este briefing, a equipe da CookieWeb analisou as principais tendências deste mercado. “O próximo passo agora será otimizar todos os canais de atendimento das mídias sociais e fazer a sinergia entre eles”, esclarece Natan Sztamfater, CEO daCookieWeb.

Fonte:http://www.metaanalise.com.br/inteligenciademercado/index.php?option=com_content&view=article&id=5728:aramis-entra-na-era-do-social-commerce-com-acoes-da-cookieweb&catid=11:estrategias&Itemid=360

17 de out de 2011

Wal Mart e Facebook anunciam parceria


    O Wal-Mart e o Facebook anunciaram no ultimo dia 11, uma parceria para ajudar a maior varejista do mundo a conectar clientes às suas lojas físicas.
   O Wal-Mart lançou o My Local Wal-Mart, uma página que permite que a companhia acompanhe o que está acontecendo em determinadas lojas.
   A ação, que envolve cerca de 3.500 lojas do Wal-Mart, prevê o envio de alertas aos fãs da varejista no Facebook sobre novos produtos e descontos.
  O Wal-Mart vem intensificando investimentos em comércio eletrônico e redes sociais para tentar competir mais efetivamente com seus rivais na Internet, liderados pela Amazon.com.
  Fãs do Wal-Mart no Facebook que se inscreverem para a nova página receberão cerca de duas mensagens por semana a partir de sua loja local, segundo a empresa.#VamosJuntos

Fonte:http://br.noticias.yahoo.com/wal-mart-e-facebook-anunciam-parceria-113124856.html

16 de out de 2011

E-commerce deve faturar mais de R$ 19 milhões este ano



    As compras pela internet passam a ter suma importância na vida do consumidor moderno e crescem a cada ano que se segue. 
   O E-bit lança mais uma estimativa de números para este ano no E-commerce, a mais pessimista é que fature algo em torno de R$ 19 bilhões em 2011. Esses dados foram apresentados durante um evento promovido pela Fecomercio, em São Paulo, onde o E-bit mencionou que os líderes de vendas na internet são os eletrodomésticos, seguido pelas áreas da informática, saúde, beleza, medicamentos, livros, assinaturas de revistas e eletrônicos.
   Segundo Arnaldo Korn, diretor presidente do portal Pagamento Já, "A loja que não se foca na vida virtual perde autenticidade, identidade e muitas vezes credibilidade, perante a pessoa que procura na web e não encontra resultados. É fácil desconfiarem de uma empresa sem endereço online, pois antes de fechar qualquer negócio se tornou praxe a consulta na internet. Hoje o e-commerce virou símbolo de modernidade, um negócio que visa sempre o futuro e não se mantém parado. É sinônimo de empresa que busca desenvolvimento e investimentos", afirma Korn.
   O Brasil é o 5º maior país com número de usuários navegando na web, cerca de 81 milhões. Somente este ano, 4 milhões de internautas consumidores fizeram sua primeira compra pela internet, sendo 2,4 milhões da classe C. Na maioria das vezes, os produtos são mais baratos, com a mesma qualidade da loja física e ainda conta com a comodidade de não sair de casa. É necessário que o empresário entre no jogo do e-commerce para não perder o cliente que o está buscando. É inaceitável, dando um pequeno exemplo, o consumidor ter que procurar o campo de busca do site, pois ela deve estar em ótima localização e em destaque. 
  Mais uma vez os números deixam claro que o e-commerce é a uma ótima opção de vendas. E você está preparado para o Natal? #VamosJuntos
Fonte: O Liberal Digital

15 de out de 2011

Metade dos paulistanos compra pela web e Orkut ainda é rede mais usada.

    Cerca de 51,5% dos paulistanos têm o costume de realizar compras pela internet, indica estudo da Fecomercio-SP, divulgado dia 10 de Outubro. A "Pesquisa sobre Hábitos dos Paulistanos na Internet" revela ainda que o Orkut ainda é a rede social mais utilizada pelos moradores de São Paulo, com cerca de 75% de penetração, diante de 54% do Facebook.
   Segundo os entrevistados, a escolha pelo meio eletrônico para as compras ocorre pela praticidade que a internet oferece. Em relação à pesquisa feita em 2010, o percentual de pessoas atraídas pelo e-commerce 8,84 pontos superior. Além da praticidade, os paulistanos que optam pelo E-commerce citaram como motivos, em segundo e terceiro lugar, o preço e confiança na empresa.
   O medo de fraudes, no entanto, é a principal razão citada pelos entrevistados (52,69%) para que não utilizem o serviço de compras pela internet. Em segundo lugar, vem a necessidade de ver o produto pessoalmente (23,15%), seguido do custo final da compra com frete (17,66%).
   A "Pesquisa sobre Hábitos dos Paulistanos na Internet" da Fecomercio foi realizada em maio deste ano. Foram entrevistadas 1.000 pessoas residentes na cidade de São Paulo.
 
Redes Sociais
  Na cidade de São Paulo, a rede social mais utilizada, segundo a pesquisa da Fecomercio, ainda é o Orkut, com 74,91% de penetração. Já o Facebook, embora tenha crescido 30 pontos percentuais da pesquisa de 2010 para cá, ainda não ultrapassou a rede social do Google, ficando com cerca de 54% de penetração entre os entrevistados. Ainda segundo o levantamento, o Twitter é usado por aproximadamente 19% dos paulistanos e o MSN por 66%.

   E você qual você utiliza mais o Orkut ou o Facebook? Deixe seu comentário e vamos interagir. #VamosJuntos


Fonte:http://noticias.bol.uol.com.br/tecnologia/2011/10/10/mais-da-metade-dos-paulistanos-fazem-compras-pela-internet-revela-pesquisa.jhtm